"A iconologia AFRO-AMERINDIA-NORDESTINA - BRASILEIRA está viva. É uma imensa fonte tão grande quanto o Brasil e devemos nela beber com lucidez e grande amor. .., uma tomada de consciência cultural da Nação Brasileira, do Povo Brasileiro..., a Cultura do Nordeste, a Cultura do Indio, a Cultura Negra, o Barroco como um produto da nossa criatividade mulata..., pela síntese das artes: caminho para a humanização das comunidades" (Rubem Valentim, 1976).